COVID-19 SAIBA MAIS SOBRE O CORONAVÍRUS

COVID-19 SAIBA MAIS SOBRE O CORONAVÍRUS

COVID-19 SAIBA MAIS SOBRE O CORONAVÍRUS

 

O ASSUNTO MAIS DISCUTIDO DA ATUALIDADE

Há dias, quando acessamos os variados meios de comunicação, como jornais televisivos e até as redes sociais, nos deparamos com diversas notícias sobre algo em comum: a pandemia que vem preocupando a população no ano de 2020. Entenda agora sobre o que se trata e seu respectivo impacto mundial.
Em 31 de dezembro de 2019, após casos registrados na cidade de Wuhan, uma das maiores metrópoles Chinesas, foi emitido pela Organização Mundial da Saúde a descoberta de um novo agente, causador da doença chamada de Coronavírus (COVID-19). De acordo com o ministério da saúde, o novo vírus é registrado como uma variação da família Coronavírus, causadores de infecções respiratórias, identificado pela primeira vez em humanos em 1937 e assim nomeado em 1965 por assemelhar-se à uma coroa, em análise microscópica. Existem suspeitas de que a primeira transmissão tenha ocorrido por meio de algum animal silvestre ainda desconhecido, e uma outra hipótese diz que o novo vírus pode estar associado a animais marinhos, pois os primeiros pacientes infectados tiveram contato com carne de animais comercializados em um mercado de frutos do mar da cidade de Huanan. Pesquisas apontam que a primeira transmissão ocorreu de animal para humano e depois passou a ocorrer de pessoa para pessoa. Outro ponto a ser considerado é o perfil dos infectados, onde estudos apontam que idosos com problemas de saúde são os mais vulneráveis. De acordo com o Comitê Nacional de Saúde da República Popular da China, a idade média das primeiras vítimas era de 75 anos e Cientistas Ingleses estimaram que a taxa de transmissão entre humanos é de duas a três pessoas para cada paciente infectado. Um estudo feito pela OMS listou como principais sintomas a tosse, febre, coriza, dificuldade respiratória, e em casos críticos, insuficiência pulmonar, falência de órgãos e risco de morte. Já como métodos preventivos, é recomendado lavar as mãos frequentemente, principalmente antes de consumir alimentos e após frequentar lugares públicos; passar álcool em gel após lavar as mãos, com concentração acima de 70% para ser eficaz contra o vírus; cobrir nariz e boca
quando espirrar ou tossir; evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca, pois é como o vírus entra no organismo; não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, copos ou garrafas; manter os ambientes bem ventilados; evitar contato próximo a pessoas que apresentem sintomas da doença, como tosses, febre, deficiência respiratória e insuficiência renal; e quanto aos idosos e pessoas com deficiências respiratórias, aconselha-se redobrar os cuidados, por terem o sistema imunológico mais frágil e, assim, serem mais suscetíveis ao vírus.
No dia 25 de fevereiro de 2020, o Brasil registrou seu primeiro caso de Coronavírus, sendo o primeiro país da América Latina com caso confirmado de um vírus que até então já tinha feito 2.708 vítimas pelo mundo. Se tratava de um homem de 61 anos que deu entrada no Hospital Israelita Albert Einstein, após sua viagem à Itália no início do ano.
Atualmente, o Brasil encontra-se em quarentena desde 16 de março, com medidas de restrições de circulação de pessoas. Escolas, universidades, comércios e outros lugares de convívio social, foram obrigatoriamente fechados por tempo indeterminado. Uma medida preventiva com o objetivo de reduzir a proliferação do vírus que já alcançou um elevado nível de gravidade em diversas regiões do planeta, se tornando uma pandemia declarada pela Organização Mundial da Saúde.
Diversos países fecharam suas fronteiras a fim de parar a disseminação da doença e minimizar os impactos econômicos. A maior parte dos casos foram registrados na China, porém a Europa recentemente se tornou o novo epicentro do vírus, fazendo os países determinarem quarentena nacional à toda população.
A pandemia fez com que governos ordenassem também o fechamento de diversos comércios, interrupção industrial e o cancelamento ou adiamento de grandes eventos, como a Copa Libertadores da América, a Liga dos Campeões da UEFA e o Lollapalooza no Brasil, e até viagens aéreas, causando grandes impactos nos mercados e comércio global, convocando a população cada vez mais a ficar em casa, longe de aglomerações onde há risco de contaminação, além de outras medidas preventivas já citadas a fim de minimizar os efeitos
negativos causados pelo COVID-19 e retomar futuramente à normalidade do mundo contemporâneo.

Gostou do artigo? Mande sua opinião e sugestões para ouvidoria@santarita.br
Siga nossas redes sociais:

Facebook Instagram

 

Outras Notícias